quarta-feira, 21 de abril de 2010

PANENKA: O INVENTOR DO "PÊNALTI DIFERENTE"

Antonin Panenka e cenas do "pênalti diferente"





Ultimamente temos visto um sem número de pênaltis cobrados nos mais diversos estilos - desde os "normais", com chutes colocados, ou fortes, ou no alto, até as polêmicas paradinhas passando pelo que é batido de forma despretensiosa e tirando totalmente o goleiro da jogada, o conhecido "pênalti humilhante". No domingo passado vimos o atacante uruguaio do Botafogo/RJ El Loco Abreu cobrar uma penalidade desse jeito "diferente", com muita frieza e categoria, tirando qualquer possibilidade de defesa do goleiro flamenguista Bruno na decisão da Taça Rio do Campeonato Carioca - gol este que deu o título estadual ao clube da Estrela Solitária.

Na história do futebol temos acompanhado vários jogadores cobrarem penalidades dessa mesma maneira que Abreu - de forma sutil e quase sem nenhuma chance de defesa por parte do adversário. Logo vem à mente a cobrança do grande meia francês Zinedine Zidane na decisão da Copa do Mundo de 2006, quando chutou da mesma maneira que seu colega uruguaio e curiosamente a bola também tocou no travessão e entrou na meta defendida pelo italiano Buffon. Para que tal lance surta efeito é preciso, antes de mais nada, de muita categoria no chute e uma boa dose de sangue frio nessas horas. Vamos relembrar...


video

No Brasil essas características de cobrança de penalidades máximas ficaram bastante populares nos pés dos ex-jogadores Djalminha, ex-Flamengo, Palmeiras e La Coruña/ESP, e Marcelinho Carioca, ex-Corinthians. O aposentado meia flamenguista, inclusive, foi o que levou a maior fama, sendo um pênalti batido desta forma reconhecido como "à la Djalminha", como podemos ver no vídeo abaixo.


video


Porém o que poucos sabem é que muito se enganam quem denomina esse tipo de cobrança de tiro livre da marca de cal como um feito iniciado pelo meiocampista brasileiro. Tal artifício foi pioneiro nos pés de outro ex-meia, que foi campeão europeu em 1976 - trata-se do tcheco Antonin Panenka.

Panenka nasceu em Praga, capital da então Tchecoslováquia (hoje República Tcheca), no dia 02 de dezembro de 1948. Sempre foi um jogador de notável habilidade e dono de muita categoria nas bolas paradas, desde sua estréia no futebol profissional pelo Bohemians Praha (atualmente Bohemians 1905) de sua cidade natal em 1967. Por lá ficou 14 anos até sua grande qualidade chamar a atenção dos austríacos do Rapid Wien, onde atuou por mais 4 temporadas e faturou seus cinco únicos títulos em nível de clubes. Em 1986, já com a carreira em declínio, Antonin Panenka ainda jogou pelos modestos VSE St. Pölten, Slovan Wien, ASV Hohenau e Kleinwiesendorf, todos das divisões inferiores da Áustria e onde encerrou sua carreira em 1993 aos 45 anos de idade. Atualmente é o presidente do Bohemians 1905, seu clube de coração e onde iniciou sua trajetória nos gramados.

Todo seu talento ainda atuando no futebol tcheco foi recompensado com a primeira convocação para a seleção de seu país em 1973. Contudo seu auge veio 3 anos mais tarde na Eurocopa disputada na antiga Iugoslávia. Junto com bons nomes como os atacantes Ján Švehlík e Zdeněk Nehoda, o zagueiro Anton Ondruš, entre outros, Panenka conseguiu, curiosamente, seu primeiro título profissional na carreira e, sem dúvida, o mais importante de todos - a conquista do título europeu. Mas não foi um desfile de genialidade do meia que ficou registrado nessa façanha, mas sim um lance inusitado que saiu de seus pés na disputa por pênaltis

A final da Euro foi disputada em Belgrado, capital iugoslava, no Crvena Zvezda Stadium com quase 30.800 pessoas, entre Tchecoslováquia e Alemanha Ocidental. Os tchecos fizeram 2 gols em 25 minutos de jogo através de Švehlík e Dobiaš, entretanto os alemães conseguiram uma heróica reação com gols de Dieter Müller e Hölzenbein - este aos 44 minutos da segunda etapa - e o tempo normal terminou com um empate por 2 a 2, que se seguiu na prorrogação. Nas cobranças de penalidades máximas converteram pelo lado germânico Bonhof, Flohe e Bongartz, até o ótimo Uli Hoeneß desperdiçar sua cobrança. Pelo tcheco, Masný, Nehoda, Ondruš, Jurkemik e, por fim, Antonin Panenka, que com muita categoria bateu o pênalti de forma nunca vista antes tirando quaisquer possibilidades do lendário arqueiro alemão Sepp Meier evitar o gol do inédito título tcheco. Veja a incrível penalidade batida pelo jogador.


video


E tudo isso deve-se a Antonin Panenko. Este sim foi o pioneiro nessas cobranças inusitadas de pênaltis que hoje em dia Fred, Neymar, Robinho, Petkovic, entre muitos outros que tanto as utilizam. Se o lance é polêmico ou não, pouco importa para mim, mas que é bonito de se ver não existe a menor dúvida - digno dos grandes jogadores.

Abaixo, dados e estatísticas do pioneiro das cobranças "diferentes" de penalidades máximas.

* Nome: Antonin Panenka

* Nascimento: 02 de dezembro de 1948 em Praga/TCH (Atual República Tcheca)

* Posição: meio-campo

* Clubes (6): Bohemians Praha (1967 a 1981), Rapid Wien/AUT (1981 a 1985), VSE St. Pölten/AUT (1985 a 1987), Slovan Wien/AUT (1987 a 1989), ASV Hohenau/AUT (1989 a 1991) e Kleinwiesendorf/AUT (1991 a 1993)

* Títulos (6): Eurocopa (1976), Campeonato Austríaco (1981/82 e 1982/83), Copa da Áustria (1983, 1984 e 1985)

* Seleção Tcheca: 59 jogos e 17 gols entre 1973 e 1982




Foto 1: Las Auque
Foto 2: Wordpress

Foto 3: 20minutos.es

3 comentários:

Squadra62 disse...

zidane cobrou igual ao loco na final da copa de 2006, não 2002...

final de 2002 foi Brasil e Alemanha

Carlos Henrique disse...

Obrigado pela correção, amigo. Já foi providenciada.

Anônimo disse...

Eu coleciono autografos e tenho o autografo do Panenka na minha coleção.
Hoje fiz uma troca com um amigo do Rep. Tcheca e ele está me mandando uma foto do Panenka com a camiseta do Botafogo.

Joao Guimaraes
www.joao.autografos.org